Nosso endereço:

Rua Evangelista de Souza,1761 Santo André-SP

Telefone:

(11) 4458-4502 / Whatsapp

Área Exclusiva:

Sala do Aluno

NR33 - Supervisor em Espaço Confinado (Reciclagem) 8 horas

Objetivo:

O principal objetivo do curso de NR-33 é prevenir a ocorrência de acidentes que possam comprometer a integridade física de colaboradores ou terceiros em trabalhos no interior dos espaços confinados ou até mesmo a proteção local e dos trabalhadores contra os riscos de entrada em espaços confinados.

Entradas em espaços confinados como parte da atividade industrial podem ser feitas por vários motivos. A mais comum é para a realização de serviços de inspeção, reparos, manutenção, pintura, limpeza ou qualquer outra operação cuja característica é não fazer parte da rotina industrial.

Carga Horária: 08 Horas

Conteúdo Programático:

  1. 1.Parte 1
  2. Apresentação do curso;
  3. Objetivo e conteúdo do curso;
  4. Pré-teste;
  5. Os 5 itens principais da NR 33;
  6. Funções desempenhadas pelo Supervisor de Entrada;
  7. Competências e Qualidade na Educação (UNESCO);
  8. O que significa ser competente;
  9. Os verbos que traduzem a função de Supervisor de Entrada;
  10. O primeiro passo para adquirir as competências necessárias.
  11. 2.Parte 2
  12. Porque os Supervisores de Entrada são considerados “anjos da guarda”;
  13. Estudo de Caso;
  14. Acidente com Soldador;
  15. Tópicos e Metodologia;
  16. Origem da Legislação sobre Espaços Confinados;
  17. Porque as pessoas entram em espaços confinados;
  18. A lista dos riscos dos espaços confinados;
  19. Tópicos sobre Supervisão de equipes direcionada a trabalhos em espaços confinados;
  20. 3.Parte 3
  21. Tópicos sobre Supervisão de equipes direcionada a trabalhos em espaços confinados;
  22. As 3 definições de Espaços Confinados;
  23. Como definir se um local é espaço confinado ou não (APR);
  24. Análise das Definições Contidas na NR 33.
  25. 4.Parte 4 e 5
  26. Análise das Definições Contidas na NR 33.
  27. 5.Parte 6
  28. Reconhecimento, avaliação e controle de riscos;
  29. A importância de um memorial de cadastro de espaços confinados;
  30. Limite de Tolerância – LT;
  31. Exercício – Análise da Apostila Toxicologia Ocupacional;
  32. Exposição e contaminação.
  33. Os agentes de risco;
  34. PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais;
  35. APR – Análise Preliminar de Risco;
  36. Risco e Perigo; Gerência de Riscos;
  37. Percepção e Observação; os 5 Sentidos na prevenção de acidentes em espaços confinados.
  38. 6.Parte 7
  39. Riscos Químicos;
  40. Riscos quando se trabalha em espaços confinados;
  41. Riscos Atmosféricos;
  42. Estudo de Caso – Espaços Confinados em navio;
  43. Risco da deficiência e enriquecimento de oxigênio;
  44. Risco do Monóxido de Carbono e do H2S;
  45. Controle de riscos atmosféricos;
  46. Ventilação;
  47. Proteção respiratória;
  48. Exemplos de requisitos mínimos para exaustores e insufladores;
  49. Riscos Físicos.
  50. 7.Parte 8
  51. Inundação, soterramento, engolfamento, incêndio, quedas, riscos ergonômicos;
  52. Controle de riscos físicos;
  53. Bloqueio;
  54. Identificação e isolamento;
  55. Exercício – Pintura em espaços confinados – Análise de vídeo;
  56. Medidas importantes de controle dos riscos;
  57. Estudo detalhado da APR – Análise Preliminar de Riscos;
  58. Técnicas auxiliares na prevenção de acidentes em espaços confinados;
  59. Classes de espaços confinados, para efeito de salvamento.
  60. 8.Parte 9
  61. Exemplos de espaços confinados, acessos e trabalhos;
  62. Kit escada de marinheiro: proteção contra risco de queda de acesso a espaço confinado;
  63. Monitoração na entrada de espaços confinados;
  64. Monitoração no interior de espaços confinados;
  65. Estudo da densidade dos gases;
  66. Práticas seguras em espaços confinados (análise de execução de serviços);
  67. Insuflação e exaustão; situação ideal;
  68. Porque não usar oxigênio para ventilação;
  69. Funcionamento de equipamentos utilizados em monitoração de espaços confinados (análise de vídeos);
  70. Limites de explosividade (explosímetros medem o LIE – Limite Inferior de Explosividade).
  71. 9.Parte 10
  72. Definição de áreas classificadas;
  73. Reconhecimento da PET – Permissão de Entrada e Trabalho;
  74. Operações de salvamento;
  75. Equipamentos de resgate e entrada em espaços confinados;
  76. Porque uma prática de resgate em espaços confinados necessita de um ASO – Atestado de Saúde Ocupacional Específico;
  77. Leitura, análise e interpretação da NR 33.

Para solicitar orçamentos e informações,clique aqui, retornaremos o mais breve possível.